Foto Ilustrativa

Há muitos anos, a fórmula é a mesma: as mineradoras extraem a matéria-prima de pedreiras e portos de areia; os transportadores levam-na até as indústrias; as indústrias fabricam os materiais de construção; os materiais abastecem obras nos centros urbanos; essas construções produzem resíduos sólidos; novamente os transportadores entram em cena, para levar os resíduos até os aterros; e, no fim, tudo o que se tem é uma enorme e subutilizada montanha de entulho.

Mas essa situação já está começando a mudar. Em parceria com a FAPETEC, a Estação Resgate oferece uma inovadora solução de aproveitamento dos resíduos da construção civil e demolição (RCD). A empresa implanta sistemas de reciclagem desses materiais na própria área do aterro. Dessa forma, os RCD transformam-se em produtos de construção, reduzindo a necessidade de novas extrações de recursos minerais na natureza.

Uma grande vantagem da Mineração Sustentável é a utilização da logística reversa: os caminhões chegam ao aterro transportando entulho, depositam sua carga, e já voltam para os centros urbanos levando materiais reciclados. Tudo isso na mesma viagem. O resultado vem em forma de economia de combustível e menos poluição do ar. Na cidade de São Paulo, onde o projeto já está em funcionamento, estima-se que a emissão de CO2 seja reduzida em 3.821,09 toneladas ao ano.

A iniciativa está chamando a atenção de quem se preocupa com o meio ambiente.

Em 2009, o projeto foi selecionado para participar da Mostra de Tecnologias Sustentáveis, do Instituto Ethos. Enquanto isso, a FAPETEC e a Estação Resgate continuam trabalhando para trazer a evolução não apenas aos setores da mineração e da construção, mas também à vida de todos aqueles que respiram o ar das cidades.